Adolescente de 17 anos é executado com cinco tiros

Familiares da vítima desconfiam que o crime foi motivado por vingança


Por: Redação ORM News com informações de O Liberal Em 19 de março, 2017 - 19h10 - Polícia

Um adolescente de 17 anos foi morto a tiros, na tarde deste domingo (19), no bairro do Jurunas. A família, em choque, desconfia de uma vingança. Dois homens, identificados como "Boneco" e "Gordinho" (tio do "Boneco"), seriam os responsáveis pela execução. A vítima cumpriu medidas socioeducativas por ato infracional equiparado ao crime de homicídio. Quando morreu, o jovem estava com um simulacro de revólver. 

Foto: César Perrari

A execução foi na passagem Doutor Veiga, em uma área tão pobre e carente de serviços públicos que é chamada pelos próprios moradores de "Beco da Merda". A Polícia Militar chama de área vermelha ou crítica, devido à criminalidade. O adolescente estava passando pelo local quando foi abordado pelos assassinos, que estavam de moto. Foram cinco tiros: um no rosto e quatro nas costas. Havia ferimentos na cabeça, nádegas, lombar e braços.

Na cena do crime, várias pessoas comentavam que o rapaz já estava marcado para morrer. Ainda havia a suspeita de que mais duas pessoas, ligadas à vítima, também estavam ameaçadas. Ele ia encontrar com essas pessoas, e usar o simulacro para cometer mais um ato infracional. Mas, diante da movimentação na rua, provavelmente se esconderam. A presença da polícia na investigação do homicídio inibiu definitivamente a possibilidade de novas execuções na tarde ontem.

O primeiro ato infracional da vítima, o mais grave, foi cometido aos 14 anos. Ele já havia cometido outros, análogos aos crimes de furto e roubo. O delegado Eduardo Rollo, da Divisão de Homicídios, disse que a família não revelou quem havia sido assassinado pelo adolescente há três anos. A investigação vai revelar o processo. O jovem estava livre há cerca de um mês.

A Polícia Civil agora vai tentar identificar os parceiros do adolescente, pois eles também correm risco e podem identificar os assassinos. Quem tiver informações sobre "Boneco" e o tio dele, chamado de "Gordinho", pode ligar para o Disque-Denúncia (181). Não é preciso se identificar e a ligação é gratuita.