Mais Acessadas

Brasil passa pela Nigéria e entrega sua esperança à Argenti

Com grande atuação de Nenê, seleção vence por 86 a 69, na Arena Carioca 1, e depende de vitória dos argentinos sobre a Espanha para se classificar


Por: Globo.com Em 15 de agosto, 2016 - 16h04 - Olimpíadas

Brasil x Nigéria basquete Olimpíada Rio de Janeiro (Foto: REUTERS / Jim Young)Não há esperança sem sofrimento. É preciso superar obstáculos para buscar grandes glórias. Quanto mais difícil for a escalada, maior será o prazer da conquista. A seleção brasileira masculina de basquete parece usar essa frase como um mantra. Depois de derrotas doloridas para Croácia e Argentina, o time reagiu e venceu por 86 a 69 a Nigéria, na abertura da última rodada da primeira fase dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, nesta segunda-feira, na Arena Carioca 1, com 19 pontos, sete rebotes e quatro assistências de Nenê, que até bola de três acertou e teve seu nome gritado várias vezes pelos torcedores. Marcelinho Huertas colaborou com 12 pontos e 11 assistências Mas apenas esse resultado não basta para garantir a classificação no Grupo B. Agora, é preciso se vestir de azul e branco e torcer pelos argentinos contra a Espanha, às 19h (de Brasília), para chegar às quartas de final e enfrentar os Estados Unidos, único invicto da competição e primeiro colocado do Grupo A, quarta-feira.

Desde o início apagado de campanha na derrota para a Lituânia, apesar de uma reação que tirou quase 30 pontos de diferença, passando pela vitória épica sobre a Espanha, o Brasil viveu um carrossel de emoções em quadra. Perdeu para Croácia e sucumbiu a duas prorrogações diante da Argentina para depender do rival. vencer a Nigéria era uma obrigação protocolar diante do que se esperava do time.

Mas nem isso aconteceu de forma simples. O Brasil penou no primeiro quarto. O time acertou apenas um arremesso de três pontos em 10 tentativas e viu a Nigéria abrir cinco pontos, marcando 13 a 8, com Nenê se salvando em uma atuação completamente apagada e sem a energia para um time ainda em busca de uma classificação, mesmo precisando de outro resultado. Os nigerianos terminaram o período vencendo por 16 a 15, mantendo o plano de jogo com bolas de longa distância.

O Brasil, então, contou com o despertar nos Jogos Olímpicos de Rafael Hettsheimeir. Até então apagado nos quatro jogos disputados, ele finalmente se encontrou nos primeiros minutos do segundo quarto. Marcou sete pontos seguidos e ajudou a colocar o Brasil em vantagem no placar, junto com uma melhora visível da defesa. Nada que desse um conforto extremo, mas pelo menos uma confiança sobre a possibilidade de obter o resultado. A seleção brasileira, que passou a contar com uma torcida mais quente e teve 10 pontos de Benite no período, conseguiu estabelecer sua liderança, fazendo 42 a 31.

O bom momento continuou ofensivamente no terceiro quarto para o Brasil, mais uma vez com Nenê fazendo de tudo no jogo. O pivô até acertou uma bola de três, que deu ao time a sua maior vantagem no jogo: 54 a 41. No entanto, ele foi para o banco em seguida, e a Nigéria não se deu por vencida com uma chance de fazer história. Com uma reação na reta final do período, reduziu a diferença e a seleção brasileira fechou vencendo por 59 a 52.

A vantagem de apenas sete pontos não deu margens para erros que permitissem uma reação da Nigéria. No entanto, eles aconteceram, e a diferença caiu para quatro pontos (61 a 57) com Nenê no banco. Diante da situação, voltou para o jogo. Foram dois minutos e meio sem que os dois times pontuassem até o pivô brasileiro acertar dois lances-livres faltando 6m25 para o fim. As circunstâncias deixaram o confronto tenso e, desta vez, o Brasil soube controlar os nervos na reta final, abrindo novamente para vencer por 86 a 69, rezando para que a Argentina o ajude a fazer o que não foi capaz por conta própria.