Brasileiras da ginástica rítmica conquistam segundo ouro

Equipe do Brasil vence na fita. Angélica Kvieczynski fica com o bronze no arco


Por: O Globo Em 19 de julho, 2015 - 16h41 - Pan-Americano

Depois de conquistar a medalha de ouro no geral por conjunto no sábado, a ginástica rítmica brasileira subiu outra vez ao lugar mais alto do pódio no Pan-Americano neste domingo. Apoaiadas pelos brasileiros presentes no Toronto Coliseum, as meninas venceram a final por grupo na fita.

Vestidas com collants brilhantes com preto, vermelho e amarelo, e com as fitas na mesma cor, o conjunto formado por Ana Paula Ribeiro, Beatriz Pomini, Dayane Amaral, Emanuelle Lima e Morgana Gmach recebu nota 15,000 dos jurados. A equipe dos EUA ficou em segundo, com 13,283, e o Canadá em terceiro, com 12,817.

— A gente vem querendo sempre conquistar o primeiro lugar para o Brasil crescer, já que ano que vem temos as Olimpíadas em nosso país. Estamos treinando muito para conseguir o ouro no geral, em um aparelho e agora só falta amanhã. Com certeza vamos levar o ouro para o Brasil também — falou, confiante, a capitã Beatriz Pomini.

Angélica é bronze no arco, mas erra na bola

As provas individuais também reservaram uma medalha para o Brasil. Natália Gaudio e Angélica Kvieczynski apresentaram uma prova de alto nível na final do arco e protagonizaram um duelo caseiro pela medalha de bronze. Por detalhes, com a nota 15.358, contra 14.975, Angélica levou a melhor sobre Natália, que foi a quarta. Sua coreografia com a música "The Winner Takes it All", da banda sueca ABBA, agradou o público e os jurados. O ouro e a prata ficaram com as americanas Laura Zeng e Jasmine Kerber, respectivamente.

Angelica Kviecznski comemora a conquista do bronze na final do arco (Foto: Eric Bolte / USA Today Sports)

Sem companhia de Natália, Angélica foi para a final da bola com a missão de parar a dupla americana, mas um erro na captura do objeto prejudicou a brasileira, que terminou em sexto com nota 14.633. As atletas dos EUA repetiram a dobradinha dos arcos: Laura Zeng em primeiro (16.883), Jasmine Kerber em segundo (16.100). A mexicana Arnal Diaz ficou com o bronze com 15.267.

Além do Pan, há o Mundial no fim de agosto, em Stuttgart, na Alemanha, onde a missão é terminar pelo menos entre as 10 primeiras. Depois, o foco das meninas comandadas pela ex-ginasta Camila Ferezin é total nas Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro. O Brasil já tem a vaga por ser país-sede, mas não terá vida fácil diante de potências da modalidade.