COB anuncia finalistas ao troféu Melhor Atleta de 2016

Prêmio Brasil Olímpico será realizado em março e homenageará os atletas e técnicos que mais se destacaram no ano


Por: Lance!Net Em 21 de fevereiro, 2017 - 14h53 - Mais esportes

Foto: Cleber Mendes/Lancepress!

O Comitê Olímpico do Brasil (COB) anunciou nesta terça-feira os melhores atletas de 43 modalidades esportivas em 2016, e também os atletas que concorrerão ao troféu de Melhor Atleta do Ano do Prêmio Brasil Olímpico 2016. São eles: a dupla Martine Grael / Kahena Kunze (vela), Poliana Okimoto (maratonas aquáticas) e Rafaela Silva (judô), no feminino; e Isaquias Queiroz (canoagem), Serginho (vôlei) e Thiago Braz (atletismo), no masculino. Os vencedores do troféu de Melhor Atleta do Ano, masculino e feminino, serão anunciados durante a cerimônia do Prêmio Brasil Olímpico, no dia 29 de março, na Cidade das Artes, no Rio de Janeiro. Em 2015, os eleitos foram Isaquias Queiroz e a nadadora Ana Marcela, .

A escolha dos melhores atletas em cada modalidade, assim como os dois atletas que receberão o Troféu Melhor Atleta do Ano, foi realizada por um júri formado por jornalistas, dirigentes, ex-atletas e personalidades do esporte. O evento fará ainda homenagem especial aos atletas medalhistas do Time Brasil no Rio. Nos Jogos Olímpicos Rio-2016, o Time Brasil realizou a sua melhor campanha na história olímpica, conquistando 19 medalhas, sendo sete de ouro, seis de prata e seis de bronze.

Melhores do Ano

Todos os concorrentes ao prêmio Melhor Atleta do Ano brilharam no Rio-2016. A dupla Martine Grael / Kahena Kunze foi responsável por manter a tradição da vela brasileira de conquistar medalhas desde Atlanta-1996. As brasileiras conquistaram o ouro olímpico na última regata da classe 49erFX para delírio absoluto da torcida na Marina da Glória. 

Poliana Okimoto conquistou o bronze após uma longa espera e a confirmação da desclassificação da francesa Aurelie Muller, que havia chegado em segundo. Poliana tornou-se a primeira atleta (entre homens e mulheres) a conquistar uma medalha olímpica para o Brasil na maratona aquática. 

A judoca Rafael Silva deu a volta por cima no Rio-2016 depois da decepção em Londres-2012. A medalha de ouro coroou um ano inesquecível, em que conquistou também o Grand Prix de Tbilisi e o bronze no Pan-americano de Havana.

Vencedor do Prêmio Brasil Olímpico 2015, o canoísta Isaquias Queiroz marcou seu nome na história olímpica do país nos Jogos de Rio, ao se tornar o primeiro atleta brasileiro a conquistar três medalhas em uma única edição dos Jogos Olímpicos: o bronze no C1 200m, a prata no C1 1000m e novamente a prata, dessa vez no C2 1000m, com Erlon Souza. 

Serginho foi peça fundamental na conquista da medalha de ouro da Seleção Brasileira de vôlei, a quarta medalha olímpica do líbero da seleção. O brasileiro foi eleito pela Federação Internacional o melhor jogador do torneio masculino dos Jogos. 

Thiago Braz surpreendeu ao se tornar o primeiro brasileiro a passar dos seis metros no salto com vara. Em um Estádio Olímpico absolutamente hipnotizado pelo duelo com o Frances Renaud Lavillenie, Thiago chegou aos 6,03m para conquistar o ouro e estabelecer o novo recorde olímpico.

Atleta da Torcida

Os torcedores, que tiveram papel de destaque no apoio aos atletas do Time Brasil durante os Jogos Olímpicos, poderão participar diretamente da escolha do Atleta da Torcida. No início de março, o COB anunciará os atletas ou duplas que concorrerão ao troféu e dará início à votação popular pela Internet. O vencedor será anunciado durante a cerimônia do Prêmio Brasil Olímpico, momentos depois do término da votação. 

Oscar do esporte brasileiro, o Prêmio Brasil Olímpico chega à sua 18ª edição prestando homenagens ainda em outras categorias: Melhor Técnico Individual e Coletivo; Troféu Adhemar Ferreira da Silva; Melhores Atletas nos Jogos Escolares da Juventude. Os medalhistas nos Jogos Olímpicos Rio-2016 também serão homenageados, assim como o revezamento feminino 4x100m do atletismo em Pequim-2008, que receberá a medalha de bronze herdada após a desclassificação da equipe russa devido a reanálise de exames de controle de doping pelo Comitê Olímpico Internacional.