Mais Acessadas

Com duas hérnias, brasileiro recupera força e leva medalha

Recordista brasileiro da prova, Ronald Julião celebra muito conquista e lembra momentos difíceis por conta de lesão e perda de força


Por: Globoesporte.com Em 24 de julho, 2015 - 09h27 - Pan-Americano

Ronald Juliao ficou a prata no lançamento de disco (Foto: Rob Schumacher/Reuters)

Ronald Julião deixou o estádio eufórico. Aquela medalha de prata no Pan trazia uma sensação de alívio após ter que conviver com dores e lesões recentemente. O atleta do lançamento de disco fez questão de dar uma volta olímpica carregando a bandeira do Brasil ao alcançar a marca de 64,65m que lhe rendeu a presença no pódio do Canadá. As duas hérnias que carrega nas costas, naquele momento, não seriam mais o suficiente para frear sua alegria. Em determinado momento, inclusive, chegou a achar que havia sido campeão.

- A prova foi incrivelmente emocionante. Acreditei até o último lançamento que ia conseguir ganhar a prova. Quando vi, achei que tinha sido 65,95m e que tinha ganho o ouro. Mas foi uma prata com gosto de ouro. Foi uma superação depois de dois anos que tive problemas para voltar a lançar bem. Diferente do Pan de 2011, quando fui bronze, consegui dar a volta olímpica. Cansa bastante, mais do que para lançar (risos) - disse.

Aos 30 anos, Ronald Julião tem duas hérnias na lombar. Tanto do lado esquerdo quanto direito. Também sofreu uma lesão no ano passado que o levaram a perder colocações no ranking e deixar de competir em disputas importantes no cenário internacional. A atuação positiva em Toronto tinha ainda mais motivos para ser celebrada. 

- Fiquei uns três meses parado. Como a nossa prova é de força, a gente perde muita massa muscular. É muita técnica também. Demorou para voltar a confiar, ficar veloz, encaixar o quadril. Mas hoje estava bem solto e gostei muito pela superação  - celebrou o atleta.

Na edição de Guadalajara 2011, Ronald Julião havia ganho a primeira medalha do país em lançamento de disco dos Jogos Pan-Americanos. Na ocasião, foi o terceiro colocado. Em Toronto 2015, perdeu apenas para o jamaicano Fedrick Dacres (64,80m), enquanto o americano Russ Winger foi bronze (62,64m). Aos 30 anos, Julião é recordista brasileiro no disco.

Ronald Juliao, no dia da prata (Foto: Jonne Roriz/Exemplus/COB)