Fortaleza: Mexicanos presos na Copa serão soltos

STJ havia indeferido primeiro habeas corpus na manhã desta segunda. Grupo é suspeito de agredir dois advogados no Ceará


Por: G1 Ceará Em 18 de agosto, 2014 - 15h30 - Copa do Mundo

O Tribunal de Justiça do Ceará (TJ-CE) aceitou nesta segunda-feira (18) o segundo pedido de habeas corpus solicitado pela defesa dos mexicanos Sergio Israel Eguren Cornejo, Mateo Codinas Velten Rafael, Rafael Miguel Medina Pederzini e Angel Rimak Eguren Cornejo. Os quatro estão presos desde o dia 29 de junho por espancar dois advogados na Avenida Monsenhor Tabosa, Praia de Iracema, em Fortaleza.

Os quatro torcedores mexicanos que vieram a Fortaleza para acompanhar os jogos da Copa do Mundo terão as prisões substituídas por medidas cautelares, de acordo com a decisão do juiz Antonio José de Norões Ramos. As medidas serão definidas em audiência na sexta-feira (22).

Violência após jogo

A agressão a Davi Sávio, um dos advogados, ocorreu após ele proteger a mulher de assédio na Avenida Monsenhor Tabosa, área turística de Fortaleza. O advogado disse como foi ação dos mexicanos.  “Quando atravessamos a rua, eu e minha família, os mexicanos passaram em um táxi, fazendo algazarra. Quando o carro parou, ele passou a mão na minha mulher. Tirei a mão, reclamei, e os quatro desceram já me agredindo, não consegui me defender”, relatou. O primo do advogado, que presenciou a agressão, chamou a polícia que estava próxima.

“A sorte que a polícia estava próxima e chegou rápido. Eu estava desacordado, não tinha como reagir.” Ele foi levado já acordado a um hospital particular e recebeu alta na noite do dia 30 de julho. Davi Sávio teve cortes nos lábios e na cabeça, fraturas nos braços e teve os dois olhos inchados. “Meus olhos estão roxos e completamente fechados. Não estou conseguindo enxergar. Eles chutaram muito a minha cabeça quando eu estava no chão”, afirmou na época.

Relato do advogado

“Eu estava no chão. Estava desmaiado e me espancaram”, diz o advogado brasileiro David de Queiroz, agredido por quatro mexicanos na noite de domingo, após eliminação do México na Copa do Mundo em jogo contra a Holanda, na Arena Castelão, em Fortaleza. A agressão à Davi Sávio ocorreu após ele proteger a mulher de um assédio na Avenida Monsenhor Tabosa, área turística de Fortaleza.

“Quando atravessamos a rua, eu e minha família, os mexicanos passaram em um táxi, fazendo algazarra. Quando o carro parou, ele passou a mão na minha mulher. Tirei a mão, reclamei, e os quatro desceram já me agredindo, não consegui me defender”, relata. O primo do advogado, que presenciou a agressão, chamou a polícia que estava próxima.