Marcelo Chamusca rebate críticas sobre o time do Paysandu

Treinador se irrita com excesso e suspeita de campanha para desestabilizar o elenco


Por: Amazônia Em 20 de março, 2017 - 07h33 - Copa Verde

Apesar ter uma sequência de vitória, o elenco bicolor e principalmente o técnico do Paysandu, Marcelo Chamusca, estão sofrendo com críticas da torcida. Em coletiva após a vitória por 2 a 0 diante do Galvez, o que garantiu a classificação às quartas de final da Copa Verde, o técnico bicolor classificou a pressão como “surreal” e que a situação está sendo “orquestrada” por um grupo que ele não soube identificar. 

“Só vou responder uma pergunta sobre a torcida, pois vim aqui para falar sobre o jogo. Parece que estamos fazendo uma apologia ao caos. O torcedor tem todo o direito de vir ao estádio e se posicionar, mas é meio surreal. Estou há muito tempo no futebol, trabalhei e joguei em várias equipes. A emoção do torcedor se aflora no estádio, mas estou achando alguma estranheza nesse comportamento. Não sei o que está acontecendo. A responsabilidade sobre qualquer resultado não é só do treinador. Os atletas estão jogando, tem a diretoria, a comissão técnica, o grupo de apoio... Pro bem ou pro mal, tem que ser dividido”, disse o treinador, que estava bem chateado com o assunto.

Foto: Akira Onuma/O Liberal

Para mostrar que o time está em crescente e tem desempenhado um bom papel como técnico, Chamusca usou as estatísticas do jogo contra o Galvez. Segundo Chamusca, foram 17 finalizações e uma série de oportunidades para ter definido o jogo mais cedo em cima do time acriano. “Foram 24 roubadas de bola, 13 escanteios. No primeiro tempo, o Emerson não pegou na bola. O regulamento da competição tem a característica de que, enquanto não se fizer o segundo gol, o adversário vai jogar por uma bola, foi isso que aconteceu, eles se jogaram para a frente. Estamos há um mês sem tomar um gol, é a segunda melhor defesa do Brasil. Estamos classificados à próxima fase (da Copa Verde), líderes do nosso grupo (no Parazão), com 70% de aproveitamento dos pontos disputados. O comportamento de uma parte da torcida vai de encontro com isso tudo. Parece uma coisa meio orquestrada. Os jogadores mostraram após a partida contra o Galvez que estão fechados com a comissão técnica. O sentimento é de que vamos continuar nos dedicando e trabalhando pelo Paysandu”, finalizou Chamusca. 

Time viaja cheio de novidades 

Um Paysandu bem diferente vai entrar em campo contra o São Francisco amanhã, às 20h30, no Colosso do Tapajós, em Santarém, pela oitava rodada do Campeonato Paraense. Para poupar alguns jogadores do desgaste físico e os guardar para o clássico no final de semana contra o Clube do Remo, Marcelo Chamusca treinou a equipe ontem na Curuzu com a seguinte formação: Marcão; Hayner, Perema, Pablo, Andrelino; Augusto Recife, Rodrigo Andrade, Jhonnatan e Daniel Sobralense; Aslen e Alfredo.

A formação é mista e difere da que estava jogando Copa Verde e Campeonato Paraense. Os únicos titulares do jogo contra o Galvez relacionados para a viagem são o goleiro Emerson e o atacante Will. Além dos que aparecem como prováveis titulares, André, Juninho, Marquinhos, Mauro e Samuel também foram relacionados.

A equipe bicolor viaja na madrugada de hoje (segunda) para Santarém e lá o técnico do Paysandu faz mais um treino com os jogadores.