Mulheres se unem em campanha contra assédio

Acusado de tocar partes íntimas de uma figurinista, José Mayer pediu desculpas.


Por: Da Redação Em 05 de abril, 2017 - 14h02 - Celebridades

Diversas personalidades usaram suas redes sociais para se manifestar contra o assédio sexual. No Instagram, muitas atrizes e influenciadoras postaram fotos com camisetas escritas “Mexeu com uma, mexeu com todas #chegadeassédio” ou postaram imagens com a mesma mensagem. As manifestações foram causadas pela denúncia de assédio praticado pelo ator José Mayer contra a figurinista Susllem Tonani, da TV Globo. “Às vezes começa com um olhar, passa pro ‘como você é linda’, depois coloca a mão na sua cintura... São piadinhas, situações constrangedoras... Chega!”, escreveu a atriz Astrid Fontenelle. 

Bela Gil também falou sobre o caso em postagem no Instagram. “Não podemos mais engolir o constrangimento, a raiva, o medo, a dor, a vergonha, o trauma ou a vontade de gritar. Su Tonani, tô com vc até o fim!”, completou. Atrizes como Bruna Marquezine, Mariana Xavier e Luisa Arraes postaram fotos em suas redes sociais. Funcionárias da Globo, como figurinistas e maquiadoras, também participaram da campanha.

Na segunda-feira, a TV Globo se pronunciou sobre o assunto e anunciou que suspendeu o ator de produções dos Estúdios Globo por tempo indeterminado. A um blog do jornal Folha de S. Paulo, a figurinista relatou que o assédio de Mayer começou há oito meses, com elogios, que evoluíram para cantadas. Ela afirma que, mais tarde, o ator tocou suas partes íntimas sem seu consentimento.

A figurinista não se pronunciou sobre o caso, mas o ator divulgou uma carta. Veja íntegra:

“Eu errei. Errei no que fiz, no que falei e no que pensava. A atitude correta é pedir desculpas. Mas isso só não basta. É preciso um reconhecimento público que faço agora. Mesmo não tendo tido a intenção de ofender, agredir ou desrespeitar, admito que minhas brincadeiras de cunho machista ultrapassaram os limites do respeito com que devo tratar minhas colegas. Sou responsável pelo que faço.

Tenho amigas, tenho mulher e filha, e asseguro que de forma alguma tenho a intenção de tratar qualquer mulher com desrespeito; não me sinto superior a ninguém, não sou. Tristemente, sou sim fruto de uma geração que aprendeu, erradamente, que atitudes machistas, invasivas e abusivas podem ser disfarçadas de brincadeiras ou piadas. Não podem. Não são.

Aprendi nos últimos dias o que levei 60 anos sem aprender. O mundo mudou. E isso é bom. Eu preciso e quero mudar junto com ele. Este é o meu exercício. Este é o meu compromisso. Isso é o que eu aprendi. A única coisa que posso pedir a Susllen, às minhas colegas e a toda a sociedade é o entendimento deste meu movimento de mudança.

Espero que este meu reconhecimento público sirva para alertar a tantas pessoas da mesma geração que eu, aos que pensavam da mesma forma que eu, aos que agiam da mesma forma que eu, que os leve a refletir e os incentive também a mudar. Eu estou vivendo a dolorosa necessidade desta mudança. Dolorosa, mas necessária. O que posso assegurar é que o José Mayer, homem, ator, pai, filho, marido, colega que surge hoje é, sem dúvida, muito melhor.