Paraense é novo presidente da Confederação de Basquete

Guy Peixoto, de 55 anos, foi atleta do Paysandu, atua como empresário e venceu eleição por 17 a 9


Por: Redação ORM News Em 10 de março, 2017 - 16h18 - Basquete

Foto: Reprodução

O comando da Confederação Brasilera de Basquete neste quatriênio (2017 a 2021) será do paraense Guy Peixoto. A eleição aconteceu na tarde desta sexta-feira (10), na sede da entidade, no Rio de Janeiro. O ex-atleta do Paysandu e atual empresário venceu o pleito por 17 votos a 9. 

Aos 55 anos, Guy Rodrigues Peixoto notabilizou-se recentemente por ter sido contra à proposta da FIBA (Federação Internacional de Basquete) que consistia na criação de uma força-tarefa acerca da adminstração do basquete brasileiro, retirando o poder da CBB sobre a modalidade. A administração passaria a ser diretamente da FIBA. Por outro lado, o Brasil voltaria a participar de competições internacionais. O rival de Peixoto nas eleições, Amarildo Rosa, o Ministério dos Esportes e o COB tinham aceitado tal oferta

Foto: Arquivo / Guy PeixotoSendo assim, o país segue fora de competições internacionais, mas já está marcada uma reunião de Guy Peixoto com os representantes da FIBA, na Suíça, para esta semana. O objetivo será justamente tentar encontrar uma outra solução para recolocar o Brasil no cenário mundial.

O próximo passo será resgatar o basquete brasileiro dentro das federações estaduais. Para isto, o paraense que liderou a chapa 'Transparência', prometeu uma reformulação da CBB, que vinha sofrendo nos últimos anos com administrações ruins. 

'Somos um time só, a porta da CBB está aberta a todos. Eu discordo (de aumentar o colegio eleitoral da CBB). Vocês são os guerreiros, vamos ajudar vocês. Assim funciona uma empresa, temos que dar oportunidades. Vamos administrar a CBB para todos sem exceção. Ouvi que o Amaury precisaria pagar ingresso pra ver basquete na Olimpíada, que a Maria Helena (Cardoso) precisava pagar ingresso nesse país. Que país é esse que não reconhece seu passado? Assim não tem futuro. Esses ex-jogadores têm q ter passe livre nos ginásios do país. Olhei nos olhos de um menino de 10 anos em Minas e vi nossa medalha de ouro em 2024. Esse é o nosso objetivo, é por isso que vamos brigar', declarou durante a posse. A má gestão da CBB custou caro à modalidade dentro e fora das quadras, inclusive com salários atrasados, instalações inadequadas e até rodízio de funcionários pela falta de pagamento.

Mais paraense no comando

O Pará não terá um representante somente na CBB, no início deste ano o 'papa-chibé' Waldir Soares  de Moura foi eleito o presidente da Confederação Brasileira de Basquete em Cadeiras de Rodas.