Mais Acessadas

Usuários pedem que foto de mortos não seja compartilhada

Internautas agem contra o que chamam de 'vilipêndio de cadáveres'


Por: G1 Em 29 de novembro, 2016 - 12h12 - Tecnologia

Usuários de redes sociais recorrerem a Facebook e Twitter para pedir que não sejam compartilhadas fotos dos mortos no acidente aéreo com o avião que transportava o time da Chapecoense, que ocorreu na madrugada desta terça-feira (29). A queda da aeronave matou mais de 70 pessoas e deixou outras cinco feridas. O time disputaria a final da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional, da Colômbia.

Algumas imagens de pessoas mortas começaram a circular poucas horas depois da notícia do acidente. Não há informação se essas fotos são verdadeiras.

Foto: Reprodução/Internet

Ainda assim, pessoas indignadas com as postagens inundaram redes sociais em uma espécie de campanha contra o que chamam de “vilipêndio de cadáveres”. Essa expressão está presente em um dos dois textos mais compartilhados com o pedido.

“Postagem de Utilidade Pública. Campanha contra o Vilipêndio de Cadáveres. Para os urubus e carniceiros de plantão, peço encarecidamente que evitem postar fotos das vítimas do acidente aéreo com jogadores da Chapecoense e demais passageiros. Sei que para alguns, a curiosidade fala mais alto, mas se coloque como familiar de uma das vítimas, e pense se gostaria que suas imagens fossem divulgadas nessas condições. Para mim, o interesse em ver é zero. Por favor, não compartilhe as imagens. Diga não à carniçaria humana.”

O outro texto diz o seguinte: “Você, isso mesmo. Você! Não seja um idiota. Caso aparecer alguma foto dos mortos no acidente não compartilha no seu WhatsApp, Facebook, e-mail, Instagram, Snapchat ou qualquer coisa do tipo. Não seja um idiota. Respeite os familiares!”.

O acidente com o avião que levava a Chapecoense é um dos assuntos mais comentados do Twitter no Brasil e no mundo. As hashtags #ForçaChape, #ForçaChapecoense e #Chapecoense são algumas das mais usadas do mundo.

O acidente

O voo que tranportava a equipe da Chapecoense partiu na noite de segunda-feira de Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, em direção a Medellín. Segundo a imprensa local, a aeronave  perdeu contato com a torre de controle às 22h15 (local, 1h15 de Brasília), entre as cidades de La Ceja e Abejorral, e caiu ao se aproximar do Aeroporto José Maria Córdova, em Rionegro, perto de Medellín.

O Comitê de Operação de Emergência (COE) e a gerência do aeroporto informaram que a aeronave se declarou em emergência por falha técnica às 22h (local) entre as cidades de Ceja e La Unión.

O diretor da Aeronáutica Civil, Alfredo Bocanegra, explicou à Rádio Nacional da Colômbia que, embora chovesse e houvesse neblina na região, o aeroporto Rionegro estava operando normalmente. Segundo ele, aparentemente foram falhas elétricas que causaram o acidente. O piloto relatou problemas à torre de controle do aeroporto de Santa Cruz, na Bolívia.

Mais cedo, a imprensa colombiana chegou a cogitar como causa a falta de combustível, mas também informou que o piloto despejou combustível após perceber que o avião iria cair.